sexta-feira, 22 de agosto de 2014

So ... Live Or Let Die



      Em meados dos anos  60, nasce não só uma estilo musical, mas um estilo de vida também. Estilo esse que ao longo dos anos viria a unir pessoas de todas as classes sociais, raças, idades e eventuais religiões; que não diferenciaria pessoas pelo sexo ou sexualidade, e que certamente irá contra toda convenção social que impõe o que é certo e o que é errado, independente do caráter das pessoas.

      Me incomoda profundamente o fato das pessoas ignorantes sentirem necessidade de padronizar e generalizar tudo ao seu redor, pois assim o julgamento é certo e a satisfação é garantida. Absolutamente estou me dirigindo aos gloriosos headbangers (chamarei carinhosamente de  headbogas, pois para mim, gente desse tipo é o orifício anal do heavy metal), com seus cabelos cumpridos, barbas aparente e prepotência á flor da pele (ops... acabei de padronizar e generalizar alguém).

      Pois é, galerinha. Como perceberam, venho nutrindo um sentimento de amor e ódio pelos headbangers. Isso porque, independente de qualquer palavra que eu vier a escrever, sei que ainda há bangers que só querem escutar um som, bebendo uma boa cerveja e que são inteligentes o suficiente para diferenciarem o que é banal do que não é.  (Agora vem a parte do ódio...)

      Não sei como se comportam os headbangers estrangeiros, mas sinto que aqui no Brasil, o heavy metal nada mais é que uma hierarquia, onde o headboga que curte o som a mais tempo está no topo, e o "modinha", que curte o som a menos  tempo, que não sabe de nada, que é inocente, está abaixo dele. Consequentemente, o headboga pode e deve humilhar o "modinha", afinal de contas, o humilhado também tende a humilhar posteriormente. Os headbogas possuem fundamentos sempre válidos e expressões linguísticas bem amplas, onde basicamente a palavra é "poser", que aliás , não deveria ser usada para distinguir pessoas que curtem o som, mas ainda estão começando e pessoas que curtem porque acham bonitinho. E convenhamos que essa palavra não passa de "modinha" na boca dos headbogas, pois é o mesmo que dizer que uma pessoa foi "iNgnorante", quando na verdade, tal pessoa foi apenas grosseira.

       Concluindo, na minha humilde opinião, o heavy metal deveria unir pessoas que partilham do mesmo propósito. Particularmente, acredito que o brasileiro tem o dom de cagar uma parte de tudo que se tem acesso e mesmo com 1/3 do meu ser, tentando se orgulhar do meu país e das pessoas que vivem nele, certas condições tornam esse sentimento quase que impossível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para que a devida atenção seja dada aos visitantes do blog, os comentários passaram por moderação, onde serão lidos e respondidos.